Os 4 Ps do Empreendedorismo: a alavanca da inovação


15/02/2018 - Martha Gabriel

Palavras obrigatórias nas discussões de negócios hoje, e que descrevem a “alma” da revolução digital no mundo, os termos inovação e empreendedorismo fazem parte do caminho do sucesso de qualquer organização do século XXI, seja ela uma jovem startup ou uma multinacional centenária; uma instituição privada ou um órgão governamental; uma empresa ou um país; uma pessoa jurídica ou um indivíduo. Inovar e empreender, em todos os níveis sociais, tornaram-se sinônimos de sobrevivência e estratégia de competição no mercado. No entanto, apesar de estarem intimamente associados, inovação e empreendedorismo não são a mesma coisa, mas se complementam para gerar resultados. Vejamos.

Inovação é o resultado de uma AÇÃO que torna algo em NOVO, gerando VALOR para algum público específico. É intrigante observar como o termo “inovação” é extremamente mal interpretado, desencorajando a sua prática. Muitos pensam que inovar é fazer algo totalmente novo, que nunca tenha existido – esse tipo de pensamento limita a inovação às descobertas e grandes invenções, que são normalmente feitas apenas por cientistas, pesquisadores, engenheiros, etc. No entanto, inovar pode ser também pequenas ações, que causam pequenas transformações (tornando novo), e que gerem algum resultado criando valor para alguém (algum público) – e podem ser feitas por qualquer pessoa. Por exemplo, se um funcionário de uma empresa resolve se demitir e montar uma loja de doces, isso pode ser uma inovação, pois tende a gerar valor para essa pessoa e os públicos envolvidos, mesmo que o ato de se demitir e montar uma loja de doces não seja nenhuma ação inédita e super criativa, ou nem mesmo, muito complexa. Inovação tem a ver com geração de valor por meio de uma nova ação (que pode ser produto, processo, modelo de negócios, etc.) e não com o ineditismo absoluto. Assim, qualquer pessoa ou empresa, por menor que seja, tem o potencial de inovar sempre.

Empreender, por sua vez, é o movimento gerado pela insatisfação com o status quo, nos levando a buscar novos caminhos e soluções – é a força motriz da evolução da humanidade. Tudo o que o homem construiu no mundo até hoje é resultado de um ato inicial de empreendedorismo – fogo, carro, avião, computador, etc. Sem empreender, o homem estaria ainda vivendo em cavernas. Assim, empreender é toda ação na tentativa de mudança para progredir e, por isso, o empreendedorismo é a essência da inovação – ele é a AÇÃO que cria inovação. Em outras palavras, o empreendedorismo é a alavanca que transforma o potencial latente de uma insatisfação em uma inovação efetiva aplicada. A insatisfação gera ideias para a mudança (criatividade), que só se tornará inovação por meio da ação do empreendedorismo.

INSATISFAÇÃO
com o status-quo

CRIATIVIDADE
ideias para mudar de situação

EMPREENDEDORISMO (AÇÃO)
aplicação das ideias para mudar

INOVAÇÃO
geração de valor (satisfação) para algum público
devido à mudança do status-quo empreendida

Dessa forma, toda inovação é resultado do empreendedorismo. No entanto, é importante observar que nem todo empreendedorismo gera inovação.

Empreender envolve duas forças antagônicas: a insatisfação com o status-quo (que nos impulsiona a mudar) e o risco da mudança (que tende a nos segurar onde estamos).  O risco é inerente ao processo de empreender, e onde existe risco, existem também incertezas e erros – ou seja, muitas tentativas empreendedoras não resultam em inovações, mas em fracassos. Antes de chegar nas Américas, os espanhóis tiveram inúmeros naufrágios; antes de um avião conseguir voar, muitos caíram; antes de conquistar a Lua, muitos foguetes fracassaram; antes de conseguirmos caminhar, levamos muitos tombos. Dessa forma, apesar do empreendedorismo ser indubitavelmente a pedra angular do progresso e um antídoto para a acomodação, ele não é necessariamente uma receita garantida para o sucesso. No entanto, sem enfrentarmos os riscos do empreendedorismo, não conseguimos progredir. O empreendedorismo acontece quando a motivação pela mudança é maior do que o medo dos seus riscos.

Assim, para se conquistar inovação e o valor gerado por ela, é necessário estar disposto a conviver com os riscos do empreendedorismo. Nesse sentido, a questão da inovação está menos ligada ao tamanho das instituições, e mais relacionada à educação e à cultura empreendedora que possuem. Tanto que existem pequenas empresas que são muito mais inovadoras que grandes – e as startups são prova disso. A única forma de inovar, sendo pequeno ou não, é se educando e criando uma cultura de empreendedorismo e inovação. Isso explica porque alguns países são mais inovadores do que outros, mesmo quando todos têm acesso aos mesmos recursos e tecnologias. A cultura gera os nossos comportamentos. E os nossos comportamentos geram os nossos resultados. Portanto, a cultura gera comportamentos que geram resultados – mudando a cultura, mudamos nossos resultados.

Nesse sentido, acredito que existem 4 Ps que formam a cultura  de empreendedorismo que leva à inovação: Propósito (objetivo), Preparo (educação), Planejamento (método) e Persistência (resiliência). Sem propósito, não existe razão para empreender – é do propósito que nasce qualquer ação empreendedora – ele é resultado da insatisfação com o status-quo. No entanto, não adianta se ter propósito apenas – é preciso preparo (educação) para transformar o propósito em planejamento (método) adequado para coloca-lo em ação que gere resultados. Por outro lado, sabemos que não existe empreendedorismo sem riscos e sem problemas: eles são partes integrantes de qualquer empreendimento novo. Para superar os riscos e obstáculos, é necessário ter Persistência (resiliência). Assim, poderíamos representar o processo de empreendedorismo da seguinte forma:

PROPÓSITO
objetivo (INSATISFAÇÃO com o status-quo)

PREPARO
educação para usar da melhor maneira possível
todos os recursos disponíveis para gerar ideias e modos de agir (CRIATIVIDADE)

PLANEJAMENTO
metodologia para agir de forma estruturada
para transformar o PROPÓSITO em INOVAÇÃO

PERSISTÊNCIA
resiliência para lidar com os erros e fracassos inerentes ao processo,
de forma a aprender com cada tentativa, refinando o método para alcançar o sucesso (INOVAÇÃO)

Como resultado desse processo, obtemos a inovação.

Como estão os 4 Ps do Empreendedorismo na sua empresa? Quais as insatisfações que movem o seu negócio? Como os seus colaboradores se preparam para lidar com as transformações tecnológicas aceleradas do ambiente de negócios? Que metodologias de planejamento estratégico e de acompanhamento de ações são utilizadas? Como os processos são mapeados? Qual o risco de erro que a sua organização está disposta a assumir? Que mudanças precisam ser feitas para criar ou melhorar a cultura empreendedora? Quais indicadores de inovação e geração de valor são usados?

O empreendedorismo é a alavanca de ação que transforma a criatividade em inovação.


Receba notícias e informações sobre o Canal do Empresário