Growth Hacking: pensando fora da caixa para acelerar sua empresa


08/03/2016 - Marketing de Conteúdo

Se você já se deparou com a expressão “Growth Hacking” provavelmente teve alguma dificuldade de entender seu verdadeiro significado. Sim, pois, afinal, hoje em dia temos muitos termos estrangeiros entrando em nosso vocabulário habitual e quem trabalha com marketing digital, por exemplo, com certeza já ouviu falar dessa tática, que é bastante comum na realidade de startups.

Por isso, se você é um dos que ainda não compreenderam exatamente o que esse termo representa, iremos ajudá-lo a desvendar tal “mistério” agora mesmo:

Conceito de “growth hacking”

Ao pronunciarmos a expressão, nos lembramos logo da palavra “hacker”, que é tida, muitas vezes, como sinônimo de alguém que tem grande domínio em sistemas tecnológicos e de computação, mas que nem sempre utiliza esse conhecimento para o bem. Em compensação, se analisarmos a outra palavra que a acompanha (“growth”) nos lembramos do verbo inglês “to grow”, que significa crescer. Juntando tudo isso, o que temos então?

Muito bem, um “growth hacker” também é alguém que entende muito bem de tecnologia e se dispõe a dominá-la cada vez mais, porém o diferencial está no fato de que esse profissional faz uso dela para o crescimento de empresas, tendo uma visão avançada do que é possível fazer pelos negócios sabendo utilizar e organizar adequadamente todos os dados e ferramentas que a tecnologia pode lhe trazer às mãos e criar novidades com eles.

“Growth hacking”, portanto, é um conceito novo que traduz uma maneira dinâmica e inteligente de ter ideias e soluções para crescimento de produtos, marcas e experiência com usuários por meio da gestão inovadora de dados e tecnologia no ambiente digital, a fim de perseguir novas formas de utilizar estratégias, informações e interações em favor do desenvolvimento de negócios.

Simplificando: um “hacker” é aquela pessoa que testa os limites das regras tradicionais para, geralmente, alcançar resultados de maneira acelerada e criar algo novo. Logo, podemos dizer que um “growth hacker” é uma pessoa que utiliza de meios originais (e não convencionais) para atrair novos usuários e negócios. Esse profissional trabalha simultaneamente a percepção do público e o aperfeiçoamento e qualidade do produto. Ou seja, é um profissional que une desenvolvimento e marketing com o objetivo máximo de fazer a empresa crescer. E ele não se preocupa somente em “gerar tráfego” de entrada, mas também em reter usuários, para o crescimento efetivo e prolongado de sua companhia.

Exemplos de “growth hacking”

Bem, você já deve ter entendido que um “growth hacker” é alguém encarregado, no fim das contas, de fazer crescer o número de usuários e aquisição de determinado produto ou serviço que uma empresa ofereça. O que, claro, irá se refletir na expansão do negócio como um todo, sendo por isso, também, que esta atividade não envolve só marketing, mas sim um pouco de cada área, uma vez que tudo o que é decidido e feito na empresa poderá ter algum impacto sobre a forma como a mesma se relaciona com os consumidores e se posiciona frente a eles. É necessário, portanto, que um “growth hacker” pense em crescimento de escala, mas também entenda de público e deinteração social favorável com ele.

Mas a pergunta é: como essa estratégia tem sido utilizada pelas organizações para gerar bons resultados? Antes é importante frisar que muitas vezes ela ocorre, inclusive, em parceria com um time de engenharia. E estes “hackers” nem sempre escolhem o caminho que parece mais seguro…às vezes arriscam e correm atrás do resultado com uma boa dose de criatividade e coragem!

Para entender como funciona na prática, listamos brevemente alguns exemplos de ações de “growth hacking” (entre tantas outras) que foram capazes de mudar o cenário de algumas empresas, fazendo crescer significativamente sua participação de mercado:

  1. Airbnb: é, sem dúvida, um dos cases de sucesso mais comentados. Essa empresa surgiu com uma proposta de negócios ótima, mas inicialmente difícil de “pegar”: criar um espaço na internet para as pessoas cadastrarem suas próprias casas e alugá-las para hospedagem a terceiros, como se fossem hotéis. A jogada de “hack” que fez crescer os negócios veio da ideia de um engenheiro que percebeu o que ninguém havia percebido ainda: existia, de fato, um jeito de beneficiar seus serviços frente à concorrência fazendo uma integração (que parecia impossível nesse sistema) com a Craigslist (que é uma rede de comunidades online mantenedora de anúncios gratuitos e diversificados a vários internautas). Dessa forma, os usuários eram facilmente “desviados” e direcionados para a Airbnb com frequência toda vez que eram abordados por esse tipo de publicidade.
  2. Facebook: Mark Zuckerberg: você, com certeza, já ouviu falar muito desse nome. Pois bem, afinal, o cara é considerado mesmo um gênio por ter criado uma das maiores (se não a maior) rede social do momento! Mas como ele conseguiu isto? Adivinhe só: utilizando habilidades de um verdadeiro “growth hacker” para começar a construir sua base de usuários que futuramente se tornaria uma das maiores do mundo. Começou, então, fazendo um “hack” da base de dados de sua universidade para reunir os utilizadores iniciais do chamado Facemash (precursor do Face). E o resultado hoje é evidente: a rede social que mais cresceu e ainda cresce em escala global. E tudo isso porque Zuckerberg, como CEO do negócio, mantém constante sua mentalidade de “growth hacker” que até hoje não cessa de fazer crescer a startup.
  3. Youtube: nem precisa dizer que é o site mais lembrado quando o assunto é assistir vídeos online, não é mesmo? Mas como será que o Youtube, que foi criado em 2005, se tornou hoje a referência “esmagadora” nesta categoria? Bem, podemos dizer que este foi outro “hack” clássico:  sua equipe conseguiu desenvolver um “widget” (que funcionava como um “atalho” ou “isca”) para desviar um grande número de usuários do Myspace para os links de vídeos que apareciam disponíveis em suas páginas. Assim, o Youtube conseguiu sua popularidade entre os internautas, que passaram a procurá-lo sempre que estavam à procura deste tipo de conteúdo. E o resultado é o que se vê hoje após alguns anos: um site verdadeiramente líder neste segmento, que teve um enorme crescimento ao longo dos anos e que desbancou consideravelmente seus concorrentes!
  4. Hotmail: este é, talvez, um dos casos mais “antigos” de um clássico “hack” de sucesso. Para quem não sabe, o Hotmail foi fundado como alternativa de e-mail gratuito por dois colegas de trabalho (Sabber Bharia e Jack Smith) que suspeitavam de terem seus e-mails vigiados na empresa. Naquela época as pessoas geralmente tinham de pagar para possuírem contas de e-mail ou utilizarem as da organização em que trabalhavam. O crescimento gigantesco do Hotmail, que anos mais tarde foi vendido para a Microsoft por um preço alto, se deu a partir do momento em que um de seus investidores ousou uma estratégia de marketing inusitada: colocar a frase “P.S.: Eu te amo! Faça sua conta grátis no Hotmail” no rodapé de todas as mensagens que os usuários enviassem…E acredite: deu tão certo, que em pouco tempo o número de pessoas cadastradas na base de clientes da startup cresceu exponencialmente! E a grande “sacada” foi justamente pensar com a inteligência e coragem de um “growth hacker”: uma vez que o serviço era gratuito, teoricamente não haveria problemas em inserir uma frase “publicitária” ao fim das mensagens, não é mesmo? E a estratégia, como todas as outras, envolveu uma parte de “domínio tecnológico” para que isso fosse feito automaticamente pelo sistema, sem intervenção do usuário.

E você? Agora que já conhece um pouco dessa história, já pensou como alavancar seus negócios utilizando o “growth hacking” também?

Fonte: http://marketingdeconteudo.com/growth-hacking/


Receba notícias e informações sobre o Canal do Empresário